sexta-feira, 30 de junho de 2017

CEJK – ELES TAMBÉM FAZEM PARTE DA HISTÓRIA!

Nas escolas, colégios, isto é, nas Unidades de Ensino, além do Professores, Diretoria, Supervisores, Orientadores, isto é, o Corpo Docente, existem algumas pessoas, sem as quais o trabalho de ensino e aprendizagem não alcançaria seus objetivos.

 
São pessoas, que não cursaram uma Universidade, mas que sabem muito sobre Educação. Sem eles, o trabalho de ensinar / educar, ficaria “capenga”. Muitos tornam-se tão queridos entre os estudantes, que a sua presença é quase indispensável para o bom andamento do dia a dia escolar.
No Júlia Kubitschek, a situação não é diferente. Desde meu primeiro dia de trabalho neste querido Colégio, aprendi a vê-los, respeitá-los e amá-los. Com vassouras, chaves, panos, produtos de limpeza, espanadores e alegria essa “gente simples” ou “simplesmente gente” eram e ainda são os responsáveis não só pela disciplina e limpeza do Colégio, também são os que nos presenteiam com sorrisos e cumprimentos de bom dia e boa tarde e muitas vezes com um cafezinho temperado com amor.
Inspetores, merendeiras, atendentes de secretaria, porteiros e os serventes, além de outros colaboradores “pedagógicos” que fazem as Unidades de ensino funcionar.
No CEJK, tenho medo de ter esquecido alguns nomes dessa gente guerreira, com quem tive o privilégio de conviver, mas ainda lembro de alguns que me receberam nos anos 80 e me ajudaram, abraçaram e incentivaram a continuar a me manter de pé, quando em alguns dias o peso das responsabilidades se tornavam difíceis de carregar.

Obrigado a Marcília, Josefa, Cirlene, Gecy, Sônia, Ângela, Luiza, Sr. Antônio, Maria, Moacir (Jacaré), Dona Soraia e seu delicioso café e a querida Lia e seu inesquecível sorriso.

Todo o dia, bem cedinho / Na portaria do Júlia, o Colégio Kubitschek / Um sorriso iluminava, a vida de quem chegava / Bom dia! Como Vai? / Oi! Menino, põem gravata! Menina, arruma a blusa! / Vamos rápido, subindo / Sem parar pra conversar / Vocês precisam estudar! / Olá, professor! Tudo bem? / Oi! Amor, como você vai? / Tudo dito com sorriso / E uma espontânea alegria / De braços sempre estendidos / A todos querendo abraçar  
Mulher, mulata bonita / Sempre rindo para a vida
Atenção! Muita atenção! / Diretoria chegando, para difícil jornada /Professores, funcionários e alunos, pra cuidar / Muita gente misturada e muita papelada / Sirene tocando forte, é sinal pra começar / É estudante atrasado e também tem professor, que ainda não chegou! /Tem fogo para apagar, neste longo e trabalhoso dia. / É nesta hora difícil, um bom remédio, sem dúvida / Era o sorriso da Lia! / Aluno correndo no pátio, é hora de merendar. / Professor aplicando prova, nervoso ele vai ficar

E neste delicado momento, chama a Lia pra ajudar.
Coordenação tá fechada, faltou gente, que horror! / Tem aluno passeando, correndo no corredor. / Todo mundo tá nervoso, quebrou o ventilador/ No meio da confusão, chega a mulata bonita / Sorrindo, iluminando e deixando sua alegria / Contagiar multidão, que logo se faz tranquila / Se acalma, e percebe, que na paz e no amor / Tudo se resolverá, sem pânico e sem confusão

Era só chegar a Lia trazendo a solução.

Talvez, não seja assim, que a história aconteceu. /Talvez, na poesia tudo se faça alegria.
Talvez, no dia a dia, muita gente nem sorria./ Talvez, a mulata bonita, também tivesse problemas./ Talvez, o seu sorriso, não chegasse a iluminar, o povo todo, do Júlia.

Mas, ninguém pode negar,/ Que era uma guerreira, e da luta não fugia
E todos sentirão um dia, a falta desta mulher/ Saudade da alegria, da amizade sincera
Do especial sorriso, que era somente da Lia!

Edison Borba - Professor
 

3 comentários:

  1. Meu amigo , seu texto me emocionou . Muito bom , sincero e real. Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Que saudade do Júlia!!!!!!Entrei no primeiro ano dele.....estava novinho!!!!Com o diretor Araken.

    ResponderExcluir
  3. Trabalhei no Júlia e seu texto me fez voltar a um tempo muito bom!!! BeijosThereza

    ResponderExcluir