quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

BRASIL! QUE PAÍS É ESTE?

(por) Edison Borba
Encontrar o Brasil na lista dos Países mais corruptos do mundo, creio que não foi surpresa para  nenhum cidadão esclarecido. Apenas um sentimento de vergonha, impotência, desilusão e desesperança é que invadiu a minha alma. Faz anos, cantamos com o grupo “Legião Urbana”, a pergunta: “Que País é este?”

Até hoje ninguém conseguiu responder!

O Rio de Janeiro, vive dias de medo! A violência já está incluída nos cartões postais. As mortes são tratadas, quase que indiferentemente ao som dos blocos e desfiles do carnaval. Ainda somos o povo de pele morena, hospitaleiro e alegre por natureza, isto é, de nascença, pois a natureza (paisagem) vem sendo destruída diariamente, como em todos os outros estados.

Os grandes ladrões, os famosos corruptos, os vampiros do povo trabalhador, estes, roubam por roubar. O que me intriga é o motivo de guardar o dinheiro roubado em caixas, em apartamentos, em contas nos paraísos fiscais, cujo montante, o próprio ladrão e toda a sua prole até a 5ª geração, não poderão gastar. O que fazer com as joias? Com os apartamentos? Com as casas de veraneio? Com as lanchas? Com os relógios e as roupas?

Quem são essas pessoas? De onde vieram? O que sentem os seus filhos? Qual a crença de cada um deles? Frequentam algum templo religioso? O que, verdadeiramente, pensam?

Os traficantes das comunidades são presos, fichados, identificados e às vezes até condenados. Mas, os empresários, os políticos, os ministros, suas secretárias, amantes, mulheres e alguns familiares e amigos, o que fazer com eles?

Gente que vende o Brasil por qualquer trinta moedas. Gente que patrocina muitos delitos que explodem nas comunidades e nos bandidos “pés de chinelo”, o que fazer com eles?

QUEM SÃO ELES?

******

 

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

RIO DE JANEIRO - CIDADE (quase) MARAVILHOSA



(por) Edison Borba

Após as chuvas que desabaram sobre o Rio de Janeiro, entre os dias 13 e 14 de fevereiro, algumas ruas ainda encontram-se sem luz e com a limpeza e poda de árvores aguardando para serem realizadas. Infelizmente essa situação da cidade maravilhosa não é novidade, e o carnaval tem sido uma enciclopédia com documentos sobre esses horrores.
No carnaval de  1954, o povo cantou nas ruas a marchinha VAGALUME, escrita por Victor Simon e Fernando Martins e gravada pelo CONJUNTO Anjos do Inferno.

Acredito que não houve grandes mudanças na querida Rio de Janeiro, sendo provável que no carnaval de 2019, o “Vagalume” volte a fazer sucesso.

Mais uma "bizarrice" brasileira!

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

BRASIL BIZARRO! FAVELA AMARELA???



Carnaval sempre foi usado para protestos, reclamações e denúncias sobre fatos e atitudes, algumas até bizarras, do nosso mundo político / social. No carnaval de 1961, a cantora ARACY CORTES, fez grande sucesso cantando FAVELA AMARELA, uma composição de JOTA JUNIOR e OLDEMAR MAGALHÃES. Naqueles “tempos” o Senhor Mário Saladini, que era dirigente do Departamento de Turismo do Rio de Janeiro, sugeriu que as fachadas dos barracos das favelas fossem pintadas de uma só cor. Esta ação seria tomada, para impressionar melhor os turistas. Ele chegou a sugerir o amarelo, como sua preferência. O cinema aproveitou a situação e no filme SAMBA EM BRASÍLIA, Aracy Cortes aparece interpretando a Favela Amarela.
Bizarro? Visitando os antigos carnavais encontraremos muito mais!
******

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

UMA QUESTÃO DE NOME!

(por) Edison Borba

Ao nascer, fui registrado em cartório com o nome de EDISON, porém para os meus familiares sempre fui EDINHO (alguns ainda continuam a me chamar assim). Porém, somente ao terminar à quarta série do antigo primário, é que fui informado pela Diretora da Escola Municipal Ceará, lá em Inhaúma, que meu nome tinha a letra i, eu era EDISON com i. Portanto foi no gabinete da escola que nasceu oficialmente o EDISON.

Quando bancário, eu era conhecido como BORBA. Usava crachá e sempre me orgulhei de ostentar o sobrenome do meu pai. Na Universidade eu era o Edison, no trabalho o BORBA, em casa o EDINHO.


Porém, fui nas salas de aula que nasceu um novo nome, ou será um novo personagem. Meus alunos me batizaram como “SEU EDISON”.
Anos e anos sendo chamado por centenas de crianças e jovens por “SEU EDISON” que alguns amigos passaram a me reconhecer desta forma.
Edison, Edinho, Borba e finalmente “SEU” Edison!
Porém, ainda necessito informar a muitas pessoas, que meu nome é EDISON com i.  Em consequência da presença desta letrinha no meu nome é que, em alguns documentos e em lugares públicos, sou chamado de EDILSON.

Haja coração!

******

domingo, 18 de fevereiro de 2018

TUDO SE FOI ... ADEUS ...

(por) Edison Borba

Tudo que eu fui se dissolve hoje vagarosamente
Já não existe mais corpo, apenas restos
Uma ossada disforme ainda vestida por trapos
Carne, músculos e pele, tudo se desfez, derreteu
Orgulho, vaidade, bondade, prepotência
Beleza, altivez, cultura e inteligência

Tudo apagado, desfeito, derretido
Misturando-se com a terra
Pouca à pouco irá desaparecendo
Virando cinza que será levada pelo vento
Partículas de poeira que nada valem

Outrora, me julgava importante
Agora não sou relevante
Quem irá lembrar-se do meu sorriso
Da minha voz, do meu cantar,
De tudo que fui e pensei ser
Da minha maneira de viver

Agora nada sou. Tudo se foi ...
Existirei apenas em algumas lembranças
Que irão se apagando aos poucos
Até, nada de mim, mais restar
E ninguém mais lembrar
De alguém que viveu e num piscar de olhos

Desapareceu ... sem tempo de dizer ADEUS!

AGENDA ...

(por) Edison Borba


Hoje não posso! Amanhã, é possível! Depois pode ser!
Depende dos meus compromissos. Da minha agenda.
Se não chover apareço! Se tiver dinheiro, compareço!
Amanhã? É provável! Talvez seja viável ...
Quem sabe um dia, só mais um dia pra gente se encontrar!
É só mais um dia, para esperar!
******

A MÚSICA DA MINHA VIDA - Pharrell Williams - Happy